• Movimentando

Quantas mortes poderiam ter sido evitadas durante a pandemia?

No Festival do Conhecimento, pesquisadores aprofundam debate sobre estudo apresentado na CPI da COVID-19.


Por Carol Correia - CONEXÃO UFRJ

Estudo aponta milhares de mortes evitáveis no primeiro ano da pandemia | Foto: Fábio Caffé


Durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), no Senado Federal, Jurema Werneck, diretora da Anistia Internacional no país, apresentou dados da pesquisa “Mortes Evitáveis por COVID-19 no Brasil”, uma parceria entre Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) e UFRJ. A pesquisadora se reuniu com professores do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva (Iesc) para debater e aprofundar ainda mais o tema no Festival do Conhecimento: futuros possíveis.


A pesquisa busca, principalmente, entender qual o impacto da pandemia da COVID-19 no número de mortes evitáveis ­– tanto por falta de políticas públicas específicas no combate ao coronavírus quanto no caso de outras doenças que não tiveram atendimento adequado durante o período. Segundo o estudo, mais de 300 mil mortes em excesso foram notificadas entre março de 2020 e março de 2021.

Gráfico mostra mortes em excesso no Brasil | Imagem: UFRJ, USP e Uerj


O conceito de morte em excesso utilizado no trabalho se baseia no número esperado de óbitos em um ano comparado com as perdas durante a pandemia e seguiu estimativas calculadas entre 2015 e 2019. Os dados colhidos incluem não só as mortes diretas causadas pelo Sars-CoV-2, mas também os óbitos indiretos provocados pela saturação do sistema de saúde ou, ainda, pelo medo da população em contrair a doença durante a permanência em locais de risco.


“Mortes evitáveis têm responsabilidades atribuíveis”


Jurema Werneck citou, durante a mesa no Festival do Conhecimento, pesquisas anteriores que evidenciaram que medidas não farmacológicas, como o distanciamento social e o uso de máscaras, poderiam reduzir de 15% a 38% a transmissão diária da COVID-19, a exemplo deste artigo publicado na Nature em maio de 2020. Outro estudo, dessa vez publicado na Science em fevereiro de 2021, apontou que as restrições impostas à escolas, universidades e serviços não essenciais estão associadas a reduções de até 75% da circulação do vírus.

Gráfico mostra taxa de contágio no país com e sem as medidas recomendadas | Imagem: Alerta


A partir desses dados, os pesquisadores da UFRJ, Uerj e USP estimaram que cerca de 120 mil vidas poderiam ter sido salvas se uma política efetiva baseada em medidas não farmacológicas tivesse sido implementada. “Isso só no primeiro ano, ainda sem a utilização de vacinas. São pessoas que conhecemos. Brasileiros e brasileiras que morreram pela negligência”, destaca.


Enquanto o senso comum e a mídia afirmavam que o vírus era democrático, os pesquisadores descobriram que essa não era a realidade. Os dados analisados apontam que, até novembro de 2020, menos de 14% da população foi testada para diagnosticar a doença – desse universo, as pessoas com renda maior foram quatro vezes mais testadas do que as que recebem menos de um salário mínimo. “Ou seja, o risco não foi igual. Não é a toa que uma trabalhadora doméstica foi a primeira pessoa a morrer de COVID-19 no Brasil”, conta.

Gráfico mostra percentual de testes de diagnóstico da COVID-19 divididas pela renda | Imagem: Alerta


As desigualdades estruturais tiveram influência sobre as altas taxas de mortalidade no país, principalmente entre negros, indígenas, pessoas com baixa renda e/ou escolaridade. “Essas pessoas tiveram menos chances de se proteger e de serem protegidas pelas ações necessárias.”


O SUS sob pressão


Outro ponto importante da pesquisa e um dos mais delicados da pandemia é a sobrecarga dos hospitais no país, principalmente no Sistema Único de Saúde (SUS). Tanto instituições particulares quanto filantrópicas e públicas enfrentaram a superlotação e o adoecimento de suas equipes de profissionais da saúde, mas as unidades vinculadas ao SUS foram as mais diretamente atingidas pelo descontrole da COVID-19. Além disso, o sistema público foi responsável pelo maior número de pacientes não brancos.


A pesquisa apontou que 20.642 pessoas morreram em unidades pré-hospitalares, como Unidades de Pronto Atendimento, as UPAs do Rio de Janeiro. Desse total, 20.205 foram a óbito enquanto aguardavam na fila de transferência para um local com serviço de maior complexidade. “A gente disse que era preciso preparar o sistema. Quando falamos sobre pessoas que morreram em unidades pré-hospitalares e não tiveram sequer a oportunidade de serem internadas, seja por diversos motivos, nós vemos o tamanho da negligência e do descaso”, afirma Jurema Werneck.

Gráfico mostra as disparidades no sistema de saúde no país | Imagem: Alerta


Segundo a diretora da Anistia Internacional, é importante que continuemos falando sobre essas ações, já que existem vidas que ainda podem ser salvas – seja com vacinas ou a partir das medidas não farmacológicas, já mais do que aprovadas. “Estamos falando de futuros possíveis, então é preciso que algo assim não se repita. Deve-se responsabilizar a quem de direito, assim como reparar a todos.”


Academia e sociedade


Guilherme Werneck, professor e pesquisador do Iesc e do Instituto de Medicina Social da Uerj, foi um dos envolvidos no estudo e destacou que no ambiente acadêmico existe uma demanda para que os trabalhos tenham excelência científica, mas, ao mesmo tempo, possam servir à transformação social. “Acho que a pandemia trouxe essa urgência para a universidade. A tradução do conhecimento científico é um aspecto e um pilar essencial para o universo acadêmico e não é tão valorizado”, revelou.


Segundo o professor, o Brasil poderia ter enfrentado a pandemia de uma forma muito mais efetiva, já que conta com um sistema de saúde robusto que, mesmo com todos os problemas, tem uma estrutura bastante capilarizada, tanto no nível primário, secundário e terciário, com medicina da família e unidades de saúde que alcançam os mais diversos locais da nação ­– inclusive aldeias indígenas. Além disso, a comunidade científica no país é forte e o complexo industrial de saúde tem uma boa estrutura, que poderia ser acionada para atender a demandas de insumos estratégicos, como testes e equipamentos. O docente destaca, ainda, a tradição do Brasil com excelentes sistemas de informação e de saúde e uma história consolidada de vigilância epidemiológica.


“E sabemos porque não foi feito. Quando você tem uma ação que, por um lado, vem, ao longo do tempo, desfinanciando as políticas públicas e agindo contra o conhecimento científico, não tinha como dar certo. Distanciamento físico e uso de máscara, por exemplo, não deveriam sequer ser questionados diante de uma doença de transmissão respiratória”, explica.


Leia a pesquisa “Mortes evitáveis por COVID-19” na íntegra AQUI.


Assista à mesa homônima, parte da programação do Festival do Conhecimento.


16 visualizações0 comentário